Becket era um homem simples que trabalhava como padre, mas que apesar da sua simplicidade acabou conquistando o coração do Rei Henrique II. Logo ele se tornou o conselheiro mais próximo do Rei, mas a sua amizade com Henrique logo se tornou tumultuada quando ele começou a se afastar das políticas do rei e lutar pelos direitos da Igreja. O conflito aumentou quando Becket foi nomeado Arcebispo de Canterbury pelo próprio Henrique, e então, Becket passou a divulgar a doutrina católica de forma mais rígida.

Henrique II, que queria também obter o controle sobre a Igreja, não gostou nada da postura do amigo e acabou exigindo que Becket se submetesse às leis do rei – o que provocou um conflito que levaria os dois homens a uma amarga inimizade, que culminaria com a morte trágica de Becket.

O filme Becket – O Favorito do Rei é uma obra-prima da história do cinema, que conquistou uma legião de fãs por todo o mundo devido à sua intensidade, à narrativa bem construída e às atuações impactantes. O filme trata de temas complexos, como amizade, poder, egoísmo e vingança, e explora de forma magistral a tensão inerente aos relacionamentos humanos.

Além disso, o filme é extremamente importante para a história cultural e política da Inglaterra, pois mostra o conflito entre a coroa e a Igreja Católica, que foi um episódio chave para o estabelecimento da autonomia da Igreja. A tragédia de Becket também ficou conhecida em todo o mundo da literatura, tornando-se um símbolo da luta pela defesa dos direitos da Igreja.

Em resumo, Becket – O Favorito do Rei é uma obra-prima do cinema que cativa pela sua narrativa bem construída, atuações magníficas e poderoso simbolismo. Este filme é uma verdadeira aula de história e um tesouro cultural de grande importância, que deve ser apreciado por todos aqueles que se interessam pela política e pela história da Europa medieval.